Viver Sem Vergonha
voltar-ao-trabalho-após-a-licença-maternidade

Acabou a licença maternidade, como voltar ao trabalho sem culpa?

Voltar ao trabalho após alguns meses se dedicando exclusivamente ao filhote pode ser algo bastante difícil para algumas mamães. O término da licença maternidade muitas vezes é encarado com angústia, choros e inseguranças.

Mas apesar de tudo, a volta ao trabalho não precisa ser um momento de martírio, desde que a mamãe encare o fato como algo natural e siga algumas dicas que lhe ajudarão a enfrentar esse momento com mais tranquilidade e otimismo.

O término da licença maternidade não é o fim do mundo

voltar ao trabalho após a licença maternidadeMuitas mamães se sentem culpadas quando voltam ao trabalho após a licença maternidade, momento em que deixam o bebê aos cuidados de outra pessoa. Esse sentimento é natural, pois realmente não é fácil não estar perto do pequenino, contudo, é preciso não deixar a culpa se transformar em algo avassalador e paralisante.

A boa notícia é que esse sentimento de culpa pode ser minimizado, ou até mesmo extinto de vez. Para ajudar aquelas mamães que estão para voltar ao trabalho após a licença maternidade, e que estão com um aperto no peito, apresentamos abaixo algumas dicas que podem contribuir para acabar com aquela culpa incômoda.

1 – Escolha um cuidador de forma consciente

O bebê precisa ficar com alguém em quem você confia. Escolha um cuidador de forma consciente, não faça uma escolha precipitada e mais ou menos. Se você não escolher direito, pode ficar com muitos receios e angustias, e isso vai prejudicar o seu desenvolvimento profissional, e pode também gerar um enorme sentimento de culpa.

Oriente bem a pessoa que for cuidar do bebê. Forneça uma lista contendo todos os números de telefone importantes em caso de urgências. Também explique o que a pessoa deve fazer caso a criança tenha febre, dores, engasgos, quedas etc. Além disso, oriente a respeito dos horários de refeição, banho, alimentação, etc.

2 – Encare o fato de que você não é somente mãe

Uma mãe não é somente uma mãe; ela é mãe, mas também é uma mulher que tem direito a ter carreira, sonhos profissionais, etc. Valorize a sua vida profissional, e se deseja passar mais tempo com o filhote, busque alternativas, como trabalhar meio período, por exemplo.

Se você é uma pessoa que gosta de trabalhar fora, não é interessante ficar em casa somente pela obrigação, isso lhe causará descontentamento e desmotivação e, a longo prazo, pode lhe fazer mal e acabar prejudicando até mesmo o seu relacionamento com a sua família.

Lembrar de todas as suas outras responsabilidades e de todos seus outros sonhos irão te ajudar a superar o momento de encerramento da licença maternidade.

3 – Deixe uma peça de roupa no berço do bebê

Os bebês recém-nascidos têm um olfato muito sensível, eles conseguem diferenciar o cheiro da mamãe do cheiro de outras mulheres. O cheiro da mãe dá segurança ao bebê, e tem o poder de acalmá-lo. Sabendo disso, você pode, ao sair para trabalhar, deixar uma peça de roupa dentro do berço do bebê (como uma blusa, por exemplo), assim ele perceberá o seu cheiro e se sentirá mais seguro (tome cuidado para não deixar a peça de maneira que ela possa prejudicar a respiração do bebê).

4 – Não minta para seu filho

Quando você trabalha, é importante que explique isso para o seu filho. Quando for deixá-lo na creche, ou com a pessoa que cuida dele, não prometa que irá buscá-lo se isso não é verdade, ou se você não tem certeza de que conseguirá chegar a tempo de pegá-lo e levá-lo para casa. As promessas dos pais são levadas muito a sério pelos filhos.

Quando os pais prometem algo aos seus filhos, eles ficam na expectativa, esperando ansiosamente. Se a promessa não é cumprida, eles ficam frustrados, e na próxima vez ficarão ansiosos. Isso pode acabar se transformando num padrão, o que não é nada saudável para a criança. Portanto, nunca prometa algo que não pode cumprir ou que não crer cumprir.

5 – Não reclame do trabalho na presença do seu pequeno

Reclamar do trabalho na frente do filho pode levá-lo a criar fantasias que podem causar ansiedade e frustração. Ora, se você, ao invés de demonstrar que é difícil ficar o dia todo longe dele, diz que o trabalho é muito ruim e cansativo, isso pode levá-lo a pensar que você prefere ficar o dia todo num lugar que nem gosta a ficar em casa na presença dele. Se não conseguir ficar sem reclamar do trabalho atual, então é melhor procurar outro que lhe dê mais prazer e satisfação.

As crianças não são tão ingênuas quanto muitas vezes pensamos, elas elaboram fantasias impressionantes, e uma fala de um adulto pode gerar fantasias construtivas, mas também podem gerar fantasias que causam angústias e ansiedade.

Outra coisa: não diga para seu filho que você só trabalha para garantir o sustento dele (ou algo do tipo), falas assim podem levar a criança a se sentir um peso na vida dos pais, e dependendo da maneira como você disser, pode levar a criança a manifestar sintomas diversos — manifestar sintomas é um recurso que ela utiliza para encarar a situação ansiógena.

manual da papinha

6 – Fique com seu filho nos finais de semana

Por mais que você tenha tarefas para fazer nos finais de semana e feriados, dedique um bom tempo ao seu filho. Dispense a babá e fique com ele. Brinque, escute o que ele tem para contar a você, observe-o, coloque-o no colo, receba os abraços calorosos do seu pequenino, aprecie o sorrisinho dele.

Sua disponibilidade vai ser muito apreciada e reconhecida pelo seu filho, e ele ficará ansioso pelos finais de semana, e durante muito tempo ele relembrará todas as coisas que vocês fizeram, e tenha paciência para repetir aquelas que ele mais gostou.

7 – Nunca tente compensar sua ausência com presentes e concessões descabidas

Se você trabalha e deixa seu filho na creche ou com uma babá ou parente, isso não quer dizer que você está sendo uma mãe desnaturada. Não é incomum muitas mamães se sentirem culpadas por trabalharem, e então tentarem compensar a ausência enchendo os filhos com todo tipo de presentes e todo tipo de concessões.

Não é saudável para a criança ter todas as suas vontades atendidas prontamente. Claro que de vez em quando você pode dar um presentinho, mas tem que ser um presentinho de presente mesmo, e não uma forma de compensar a sua ausência.

Crianças precisam de limites, de orientações e carinho. Atender todas as vontades do pequenino, e lhe dar presentes sempre que você se sentir culpada, não vai ajudá-lo a se tornar uma criança mais feliz. Ao invés de excesso de presentes e concessões descabidas, dê orientações, carinho e imponha limites. Isso pode ser feito durante o banho da criança, durante as refeições, e durante aqueles outros momentos que você passa com ela.

8 – Divida a responsabilidade com o pai da criança

É importante dividir a responsabilidade com o pai da criança, isso por três motivos: a criança tem o direito de desfrutar da companhia do pai; o pai tem o direito de desfrutar da companhia da criança; você não ficará sobrecarregada. Se você não vive com o pai do seu filho, essa regra vale do mesmo jeito.

A companhia do pai pode trazer muitos benefícios à criança, pois além de receber orientações e carinho de outra pessoa além da mãe, ela se sentirá ainda mais segura, pois terá a certeza de que o pai é alguém com quem pode contar.

Vocês dois devem conversar sobre a criança, sobre como pretendem educá-la, e se revezarem na tarefa de cuidar e proporcionar lazer e carinho a ela.

Finalizando

Não deixe de compartilhar estas dicas com suas amigas que também irão passar pelo fim da licença maternidade. Este problema aflige muitas mulheres e você pode colaborar com cada uma de suas amigas a passarem melhor por este momento.

Recomendados Para Você: