Moleira do bebê: saiba mais sobre essa região da cabeça do seu filho

A moleira do bebê é sempre alvo de muitos cuidados por parte dos pais, existe sempre aquele medo de acontecer alguma coisa que traga prejuízos ao cérebro da criança. Afinal esta é uma região do recém nascido cheia de mistérios para os pais de primeira viagem.

Realmente são necessários alguns cuidados para evitar acidentes, contudo, a boa notícia é que a moleira do bebê não é tão frágil assim, ela na verdade é formada de tecidos resistentes que oferecem ao cérebro uma proteção natural bastante eficaz.

Mas, é bom ler este artigo até o final e aprender melhor como conviver com a moleira do seu bebê.

Funções importantes da moleira

moleira do bebê e funçãoO bebê não possui apenas uma moleira, na verdade ele possui duas, sendo uma na parte de trás da cabeça e a outra aquela que todo mundo vê, ou seja, a que existe no alto da cabecinha.

Geralmente é essa última que causa grandes preocupações nos pais, pois ela é bem visível e é maior que a moleira que existe na parte de trás da cabeça do bebê.

Uma curiosidade: As moleiras são conhecidas pelos médicos como fontanelas, portanto, não estranhe se o pediatra virar para você e disser: “a fontanela do seu filho está normal”.

Mas para que servem as moleiras afinal?

A função mais importante das moleiras do bebê é permitir que a cabeça da criança se contraia no momento do parto, de forma que seja possível sua passagem pelo canal vaginal da mãe. Ela é essencial para o nascimento da criança.

A cabeça do bebê não é igual a cabeça de um adulto, ou seja, ela não é formada de uma única peça, na verdade a cabecinha do bebê é formada de vários ossos que ficam juntos graças a tecidos resistentes e elásticos.

Outra função importante das moleiras é proteger o cérebro do bebê até que os ossos do crânio se juntem e se tornem uma peça única, ou seja, formem uma caixa craniana forte o suficiente para oferecer total proteção ao cérebro (esse processo todo acontece entre os 11 e 15 meses de idade).

Durante todo o período em que os ossos estão se juntando e colocando uns nos outros, o cérebro do bebê não para de crescer, portanto, as moleiras garantem um ambiente seguro para o crescimento saudável do cérebro.

Veja como o corpo do seu bebê é perfeito e pronto para se desenvolver e tornar-se uma criança linda.

Cuidados com a moleira do bebê

Para proteger a moleira não são necessárias medidas radicais, contudo, é importante dar atenção às consultas com o pediatra, pois nas consultas são realizadas as medições do diâmetro da cabeça do bebê.

Além disso, as moleiras também dão indicações a respeito do desenvolvimento saudável da criança, o que ajuda o pediatra a identificar eventuais problemas.

As moleiras dão sinais importantes que não devem ser negligenciados. Abaixo apresentamos alguns desses sinais.

  • Meningite: se a moleira do bebê estiver um pouco abaulada (isso quer dizer um pouco levantada), e se a criança estiver apresentando febre, pode ser que ela esteja com meningite, nesse caso, é importante procurar o médico o mais rápido possível. Seu bebê precisará de cuidados imediatos e você não pode vacilar neste momento.
  • Se a moleira estiver um pouco afundada, e a criança estiver com diarreia forte, pode ser um sinal de desidratação. Novamente é hora de procurar um médico, o tratamento da desidratação de um bebê não é tratada da mesma forma que uma desidratação de um adulto.
  • Se a moleira fechar antes dos 06 meses de idade, isso pode indicar algum problema congênito. Por isso é importante levar o seu filho periodicamente ao pediatra, pois se houver qualquer problema, será identificado mais rapidamente, o que é bom para evitar complicações maiores.
  • Por outro lado, se a moleira demorar muito para fechar, pode ser um sinal de hidrocefalia. Como dito acima, é sempre importante fazer um acompanhamento rigoroso com o pediatra para prevenir futuras complicações.

Muitos pais ficam preocupados por causa de pulsações na moleira do bebê. Saiba que isso é o resultado da pressão arterial no cérebro da criança, e é algo normal.

Você só deve se preocupar com isso caso o bebê apresente febre, ou outro sintoma qualquer, e a pulsação esteja muito forte.

Finalizando

Estas dicas são especiais para você que é mãe e pai de primeira viagem. Como pode ver não existe mistério, mas é importante estar atento aos detalhes deste texto, pois estas dicas irão te auxiliar muito durante os primeiros meses de vida de sua criança.

Aproveite para compartilhar este artigo com seus amigos e amigas que também são pais de primeira viagem e querem desvendar este grande mistério, que é a moleira do bebê.

Recomendados Para Você: